Cheque especial: o que é e como funciona?

Se você já precisou utilizar uma quantia que deixou sua conta bancária negativa, é provável que já tenha se deparado com o cheque especial. Porém, você sabe o que ele realmente representa e quais os impactos que pode causar?

Ter essas respostas é fundamental para tomar decisões melhores quanto ao uso do dinheiro e evitar as armadilhas do endividamento. Assim, além de entender essa alternativa oferecida pelos bancos, é necessário compreender o que fazer para não precisar usar a linha de crédito.

Neste artigo, você descobrirá o que é o cheque especial e saberá tudo sobre o seu funcionamento. Confira!

O que é cheque especial?

As instituições financeiras oferecem diferentes linhas de crédito, o que inclui o cheque especial. Essa é uma modalidade que funciona como um tipo de empréstimo, mas sem um prazo de vencimento definido.

Ele também é conhecido como crédito pré-aprovado. Geralmente, é concedido pelo banco para seus correntistas conforme análises específicas sobre seus hábitos financeiros.

Como funciona o cheque especial?

Apesar de o cheque especial funcionar como um tipo de empréstimo, ele tem um funcionamento bem diferente. No empréstimo pessoal, o cliente deve fazer uma solicitação à instituição financeira, que realiza uma análise de crédito completa para conceder ou não o valor.

No caso do cheque especial, é o próprio banco que aprova um limite extra, definido de acordo com cada cliente. Entre os critérios utilizados estão a quantidade de recursos movimentados na conta, o tempo de relacionamento com o banco e o histórico de pagamento.

Assim, clientes mais antigos, com comportamento adimplente e que têm renda maior costumam ter acesso a valores ampliados do cheque especial.

Para usá-lo, você só precisa realizar operações na sua conta mesmo quando ela estiver zerada, até o limite pré-aprovado. É o caso de quem tem R$ 500,00 na conta, mas faz um pagamento de R$ 600,00. A diferença de R$ 100,00 corresponde ao uso de parte do cheque especial.

Em troca da oferta, o cliente deve fazer o pagamento do total utilizado acrescido da taxa de juros aplicável a essa modalidade.

Para que serve o cheque especial?

Como visto, o cheque especial é um valor pré-aprovado que fica disponível na conta do correntista. Então a alternativa tem como características a agilidade e a simplicidade de uso dos recursos. Por isso, ela costuma ser utilizada quando ocorre um imprevisto financeiro.

Diante da necessidade de arcar com um custo que não faz parte do orçamento, por exemplo, muitos procuram o cheque especial. Porém, ele não deve ser usado com o objetivo de ser um crédito de longo prazo. Devido às taxas cobradas, costuma fazer sentido acioná-lo apenas focando em um curto período.

Qual é a taxa de juros do cheque especial?

Antes de usar o cheque especial, é fundamental saber como é feita a cobrança e quais são os custos envolvidos. Na prática, os juros do cheque especial são a principal despesa e incidem desde o momento em que você utiliza o limite pré-aprovado.

No mercado financeiro, os juros do cheque especial costumavam estar entre os maiores cobrados. Em 2019, por exemplo, o valor médio mensal foi de 13,17%, o que corresponde a mais de 340% anuais.

Em 2020, entretanto, o Banco Central criou uma regra responsável por limitar a cobrança dos bancos. Por consequência, a taxa anual caiu para 115,6% ao ano.

Porém, ainda é um montante elevado e isso se dá pela praticidade oferecida para o uso do dinheiro. Como não há análise de crédito no momento do gasto ou exigência de garantias por parte do banco, a instituição financeira assume um risco maior de calote. Desse modo, os juros se tornam maiores.

Qual é o prazo para pagar o cheque especial?

Conforme aprendido, não há um prazo específico, mas o ideal é que o pagamento do cheque especial ocorra em um curto período devido aos juros. Lembre-se de que períodos estendidos levam a cobranças maiores.

Inclusive, há bancos que oferecem alguns dias de cheque especial sem juros, mas a regra e o prazo variam em cada instituição. Nesse caso, avalie o período disponível e planeje-se para quitar o valor dentro do prazo para evitar as taxas.

Como sacar o dinheiro do cheque especial?

Para usar esse valor, uma das possibilidades consiste em fazer o pagamento de contas e boletos, mesmo com a conta zerada. No entanto, existe a chance de sacar esse limite aprovado e utilizar os recursos de maneira física.

Normalmente, basta usar o cartão de débito da conta em um caixa eletrônico. Também é possível fazer uma transferência bancária para outra conta e realizar o saque por ela.

Quais são os riscos de recorrer ao cheque especial?

Apesar de o cheque especial parecer uma solução prática e de fácil acesso, ele envolve diversos riscos que precisam ser considerados. O principal deles envolve o endividamento. Por causa das taxas elevadas, a demora no pagamento pode fazer com que sua dívida aumente rapidamente.

Mesmo com as novas regras do Banco Central, que buscam limitar as cobranças sobre essa modalidade, os juros são intensos. Com isso, há grandes riscos de que você tenha dificuldades para arcar com a dívida após certo período.

Além disso, o cheque especial pode gerar um efeito cascata. Quando ele é visto como uma extensão do orçamento — e não como um crédito emergencial, torna-se difícil manter as contas em dia.

Como evitar o uso do cheque especial?

Sabendo o que é o cheque especial e quais os riscos envolvidos, é possível notar que ele pode gerar descontrole das contas e prejudicar o uso dos seus recursos. Portanto, o ideal é evitar recorrer a essa opção de crédito.

Para tanto, é fundamental elaborar um planejamento financeiro completo, considerando os ganhos e os gastos. Também é importante aumentar a educação financeira para ter mais consciência e criar hábitos positivos sobre o dinheiro.

Saber economizar e como cuidar da organização financeira são exemplos de práticas que podem diminuir a necessidade de recorrer ao cheque especial. Além disso, é essencial montar uma reserva de emergência, com valor equivalente a 6 meses dos seus custos médios.

Ela consegue proteger as suas finanças pessoais contra imprevistos. Caso seja necessário, basta utilizar esse valor — sem ter que pagar os juros do cheque especial. Portanto, o segredo para não precisar recorrer a essa modalidade de crédito é transformar sua relação com o dinheiro, tornando-a mais positiva e estratégica.

Agora você sabe o que é o cheque especial e os impactos que ele pode causar no orçamento pessoal. Por isso, o melhor a fazer é ter um bom planejamento financeiro e criar uma reserva de emergência para não precisar recorrer a essa modalidade de crédito.

Quer outras dicas para complementar sua educação financeira? Assine nossa newsletter e se mantenha em dia!

André Barbirato

Formado em marketing, encontrou no mercado financeiro sua verdadeira vocação. Possui certificação ANCORD e mais de 8 anos de experiência no mercado de capitais. Atualmente é sócio de um escritório de investimentos e head de mesa de renda variável. É também o criador do blog Eu Posso Investir!?.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *