O que é título de capitalização e quando vale a pena investir?

Você sabe o que é um título de capitalização? Ter essa resposta é fundamental para não tomar decisões equivocadas sobre o seu capital.

Ele tem como premissa o pagamento de um valor, geralmente mensal, que permite concorrer a prêmios. No fim do prazo, o contratante recebe o dinheiro de volta com correção.

Por isso, o título de capitalização é muito oferecido pelas instituições bancárias como uma opção de investimento com aportes programados. No entanto, contratá-lo sem conhecer suas características pode fazer com que você não obtenha os benefícios prometidos pelo produto.

Pensando nisso, este artigo ajudará a entender o que é título de capitalização e se vale a pena contratar esse produto financeiro. Continue a leitura e confira!

O que é título de capitalização e como funciona?

Título de capitalização é um produto no qual parte dos pagamentos recebidos pela instituição é usado para formar um capital. No fim do prazo definido, o valor acumulado é pago acrescido de uma correção, seguindo os detalhes do contrato.

O produto é bastante popular e funciona como uma forma de economizar dinheiro e participar de sorteios, concorrendo a prêmios. Porém, saiba que, ao adquirir um título de capitalização, o valor é dividido entre diferentes objetivos.

Uma parte é destinada ao rateio do sorteio das premiações. Outra é utilizada no pagamento da taxa de administração. Por fim, o restante é usado para capitalizar o montante acumulado.

Os pagamentos podem ser mensais, periódicos ou únicos e a frequência com que os sorteios acontecem também varia. Portanto, é fundamental ter atenção às condições do título, como prazos de pagamento e de vigência.

Para que serve um título de capitalização?

De forma geral, os títulos de capitalização podem ser vistos como uma forma de juntar dinheiro. Todavia, eles não servem para rentabilizar o capital, já que não possuem as características das aplicações financeiras.

Além disso, ele pode servir como um instrumento de garantia. A modalidade é utilizada no aluguel de imóveis quando o interessado na locação não tem fiador, por exemplo. Nesse caso, ele pode contratar um plano de capitalização no valor equivalente a alguns meses de aluguel.

Se não houver atrasos no pagamento da locação ou outros problemas relacionados ao contrato, o inquilino pode resgatar o dinheiro aplicado. Caso contrário, o valor é destinado ao proprietário para cobrir os prejuízos.

Qual o rendimento do título de capitalização?

O rendimento dos títulos de capitalização se vincula à TR (taxa referencial, que desde 2017 está em 0%) e a uma taxa de juros mensais. Todavia, eles não incidem sobre a totalidade dos pagamentos. Ainda, os juros variam de acordo com o plano e devem constar nas condições gerais do título.

Normalmente, o capital de resgate é inferior ao valor total que foi pago. Isso acontece porque nem todos os planos de capitalização garantem, ao final do prazo de vigência do título, um percentual de resgate igual ou superior a 100% do total.

Logo, o valor recebido ao término do contrato tende a ser menor em comparação às aplicações idênticas na caderneta de poupança. O motivo para isso é que, como você viu, existem taxas para custear as despesas administrativas dos bancos e para pagar as premiações quando há sorteios.

Como fazer o resgate do título de capitalização?

Alguns títulos de capitalização têm prazo de carência. Ou seja, existe um período inicial em que o dinheiro fica indisponível ao titular. Se o resgate ou o cancelamento do título for solicitado durante esse período, você só receberá o montante após o encerramento do tempo de carência.

Em caso de resgates antecipados, a instituição que emitiu o título também pode cobrar uma multa de até 10% do capital constituído. O título também pode permitir o resgate parcial, mas a penalidade poderá ser cobrada nesse caso.

Vale a pena investir em título de capitalização?

Ao contrário do que muitos acreditam, o título de capitalização não é considerado um investimento. Eles funcionam basicamente como um jogo, no qual a pessoa aporta dinheiro para tentar ganhar prêmios nos sorteios.

Ainda, como você viu, a rentabilidade dos títulos de capitalização é baixa, assim como a liquidez. Considerando a inflação, o seu dinheiro perderá poder de compra ao longo do tempo. A liquidez também é baixa, pois os títulos possuem um prazo de vigência contratual.

Logo, pode ser mais interessante procurar outras maneiras de investir para obter rendimentos e aumento de capital. No mercado financeiro, por exemplo, existem inúmeras alternativas — desde as mais conservadoras até aquelas de maior risco.

Conheça a seguir alguns investimentos que podem ser adequados aos seus planos:

Títulos do Tesouro

Os títulos do Tesouro são emitidos pelo Governo Federal, o que faz com que eles sejam considerados os investimentos mais seguros do país. Os prazos de vencimento e rentabilidades são diferentes, se adequando a objetivos de curto, médio e longo prazo.

As aplicações disponíveis na plataforma do Tesouro Direto são o Tesouro Selic, o Tesouro Prefixado e o Tesouro IPCA.

CDB

CDB é a sigla para certificado de depósito bancário, um título privado de renda fixa emitido por instituições financeiras. Seus prazos e taxas de juros variam, e o rendimento pode ser prefixado, pós-fixado ou híbrido.

Nessa aplicação financeira, as características como liquidez e segurança dependem do emissor. Porém, os CDBs têm cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), trazendo maior proteção ao capital investido.

Em caso de falência, por exemplo, o fundo cobre até R$250 mil por CPF ou CNPJ, e por instituição financeira. Ainda, existe um teto global de R$1 milhão, renováveis a cada 4 anos. Por isso, é considerado uma opção de baixo risco.

Ações

Ações são parcelas do capital social de companhias que podem ser negociadas na bolsa de valores. Por ser uma opção de investimento em renda variável, possuem maior risco e volatilidade.

Também não há previsibilidade sobre os rendimentos, que podem ser superiores aos da renda variável, mas também podem gerar prejuízos. De forma geral, é possível lucrar no longo prazo com a valorização dos papéis e posterior venda, ou com o recebimento de proventos.

Fundos imobiliários

Os fundos de investimento imobiliário (FIIs) são alternativas de investimento coletivo em que os investidores aplicam seus recursos com um mesmo objetivo. Nesse caso, a proposta é investir no setor imobiliário.

Cada FII tem um propósito diferente. Alguns adquirem títulos relacionados ao setor imobiliário, outros investem em empreendimentos para obter renda de aluguéis ou revenda. Também há aqueles que compram cotas de outros FIIs.

Agora você já sabe o que é título de capitalização e suas características. E descobriu que ele não é, na prática, um investimento.

Então considere as outras alternativas do mercado e avalie as opções para investir. Desse modo, é possível identificar quais se encaixam ao seu perfil de investidor e objetivos e fazer seu dinheiro render.

Gostou de saber mais sobre o assunto? Assine a newsletter e fique por dentro do conteúdo de finanças e investimentos!

André Barbirato

Formado em marketing, encontrou no mercado financeiro sua verdadeira vocação. Possui certificação ANCORD e mais de 8 anos de experiência no mercado de capitais. Atualmente é sócio de um escritório de investimentos e head de mesa de renda variável. É também o criador do blog Eu Posso Investir!?.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *