O que é IPO: entenda a oferta pública de ações

Toda empresa que desejar ter suas ações negociadas na bolsa de valores deve passar por uma abertura de capital. No processo, saber o que é IPO é fundamental, pois essa oferta pública é a responsável por marcar a transição quanto à presença da companhia na bolsa.

Ao entender melhor o papel do IPO e seu funcionamento, você também terá a chance de aproveitar as oportunidades na hora de alocar recursos. Para 2021, a expectativa é de diversos processos de abertura aconteçam. Então é interessante já se preparar.

Neste artigo, você conhecerá o IPO, sua composição e seu funcionamento. Continue a leitura e saiba mais!

O que é uma oferta pública?

Antes de compreender o que é IPO no mercado financeiro e na bolsa de valores, convém entender o conceito de oferta pública no ambiente de bolsa. Ela corresponde a uma negociação de ações de uma empresa ou cotas de um fundo na bolsa de valores.

O nome se deve ao fato de que todos os investidores presentes na bolsa têm a chance de investir nos ativos, se assim desejarem. Para garantir que todos fiquem cientes, existe uma ampla divulgação do processo, das datas e das condições da oferta pública de ações ou cotas.

Essa oferta pode ser classificada de duas formas diferentes, entre oferta primária e secundária. Na oferta primária, são negociados títulos imobiliários que foram recentemente emitidos pela empresa. Ou seja, a negociação envolve novas ações e a captação de recursos diretamente pela companhia.

Já a oferta secundária de ações inclui a negociação de papéis que já existiam, que é o que ocorre quando um investidor majoritário se desfaz de parte dos ativos, por exemplo. Nesse caso, os recursos seguem para o investidor que vende e não para o empreendimento.

O que é IPO e para que serve?

O IPO é a sigla para Initial Public Offering ou oferta pública inicial. Ela se caracteriza pela primeira negociação de ações de uma empresa na bolsa de valores. Portanto, corresponde à estreia de uma companhia no mercado de ações.

Quando acontece o IPO, a empresa passa a ser de capital aberto. Logo, ele serve como um marco para a transformação de um negócio em sociedade anônima. A partir disso, a companhia terá acionistas minoritários que adquirem participação em seus resultados.

Um IPO serve, principalmente, para que o empreendimento possa captar recursos. Por meio da venda de ações na bolsa, o negócio obtém uma quantia que pode ajudar em sua expansão ou consolidação de mercado, por exemplo.

Integrar o mercado de capitais também pode ser um meio de fortalecer seu posicionamento e de aumentar seu alcance de mercado. Por causa das regras que devem ser atendidas, também pode ser uma maneira de reforçar a governança e aumentar a maturidade de gestão.

Para o investidor, o IPO marca uma oportunidade de investir em ações de novas empresas. Pode ser uma forma de obter valorização em relação ao que foi aportado inicialmente, além de receber os proventos distribuídos ao longo do tempo.

Como funciona essa oferta pública?

O processo de IPO de uma empresa começa bem antes da primeira negociação na bolsa. O negócio deve se preparar para a listagem, o que inclui atender a algumas exigências da B3. Além de ser necessário apresentar uma documentação completa, são feitas auditorias para evitar fraudes.

Conforme avançam os esforços para que ocorra a estreia na bolsa, mais informações passam a ser divulgadas. A empresa, então, libera o prospecto inicial, no qual estão contidos todos os dados referentes ao IPO, como os riscos e os preços das ações.

Os investidores interessados devem conferir o prospecto e, depois, podem reservar a quantidade de ações desejada. O IPO só se concretizará se houver uma demanda maior que a oferta, então ocorre uma redistribuição proporcional de ações entre os participantes das reservas.

Antes da inauguração na bolsa, ainda há a formação de preço, em que cada investidor define o quanto estão dispostos a pagar. Quem definir um número abaixo do preço de negociação, não participa do IPO.

Por fim, os investidores devem fazer a transferência de recursos para a instituição financeira que utilizam, a fim de fazer a aquisição dos ativos. No dia da estreia, as ações são adquiridas e passam a compor o portfólio dos investidores.

Quais são os IPOs esperados para 2021?

Em 2020, mesmo diante do cenário de incerteza, houve uma grande expansão de IPOs na bolsa de valores. Ao total, as ofertas públicas iniciais movimentaram quase R$ 120 bilhões, com o maior número de aberturas de capital desde 2007.

Para 2021, o mercado segue essa tendência. Nos primeiros 45 dias do ano, já foram realizados 13 IPOs em 2021. A fila de companhias que esperam aprovação é de mais de 30 outras empresas, o que representa uma expectativa de movimento significativo no período.

Veja negócios que abriram ou que pretendem abrir o capital em 2021:

  • CSN Mineração;
  • Mobly;
  • Cruzeiro do Sul Educacional;
  • Dotz;
  • Kalunga;
  • Grupo Big;
  • Privalia;
  • LG Informática, entre outros.

O que é direito de subscrição de ações?

Depois que ocorre o IPO de uma empresa, a companhia pode emitir novas ações para captar mais recursos. O processo é conhecido como follow-on e também é feito de modo público. Porém, a emissão de mais ações pode fazer com que as participações dos sócios sejam diluídas.

Por isso, há o cuidado de oferecer prioridade a quem já faz parte do quadro de acionistas — após ter participado do IPO na bolsa ou comprado papéis no mercado secundário. Eles tem o chamado direito de subscrição.

Eles representam um período de reserva, no qual os acionistas podem adquirir papéis proporcionais à quantidade que já possuem. O objetivo é permitir que os acionistas mantenham o nível de participação no negócio, caso desejem.

Então, se você investe em empresas na bolsa ou pretende participar de um IPO, se torna importante entender também como se dá o follow-on e o direito de subscrição.

Depois de conferir essas informações, você sabe o que é um IPO, para que ele serve e como ele se relaciona ao mercado de ações. Como muitas empresas pretendem abrir seu capital na bolsa brasileira, vale a pena entender para avaliar as oportunidades de participar desses processos.

Ainda tem alguma dúvida sobre essa negociação inicial de ações? Conte nos comentários e vamos conversar sobre o tema!

André Barbirato

Formado em marketing, encontrou no mercado financeiro sua verdadeira vocação. Possui certificação ANCORD e mais de 8 anos de experiência no mercado de capitais. Atualmente é sócio de um escritório de investimento e head de mesa de renda variável. É também o criador do blog Eu Posso Investir!?.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *