Marcação a mercado: o que é e como ela afeta seus investimentos?

Apesar de a renda fixa ser uma alternativa com regras conhecidas de remuneração, não significa que não possam ocorrer perdas. Isso porque existe a marcação a mercado, que afeta os títulos que são vendidos antes do vencimento.

Por causa dela, o resgate antecipado pode gerar um retorno diferente do contratado. Esse mecanismo também é presente em outros produtos e ativos e, por isso, pode afetar sua carteira de investimentos.

Sendo assim, é necessário entender como o movimento funciona e como ele pode afetá-lo. A seguir, descubra como a marcação a mercado funciona e quais são as suas características principais!

O que é marcação a mercado?

A oferta e a demanda têm grande influência no mercado de investimentos, assim como as expectativas quanto ao cenário econômico. Essa relação costuma se refletir nos ativos e produtos financeiros, causando mudanças nos preços.

Na renda fixa e em alguns investimentos da renda variável existe um mecanismo que faz exatamente isso: a marcação a mercado ou mark to market. Ela tem como função atualizar o valor de mercado dos títulos e outros investimentos, com mudanças que são consolidadas diariamente.

Como é feita a marcação a mercado?

Antes de entender sobre a marcação a mercado — especialmente, na renda fixa — é preciso compreender o comportamento da rentabilidade.

Os títulos de renda fixa que forem levados ao vencimento, independentemente do tipo, renderão de acordo com a taxa contratada. Ou seja, não há perdas relacionadas aos ajustes do mercado. Mas, em casos de resgate antecipado, a marcação a mercado incide.

Ela funciona com base nas expectativas ou nos resultados do mercado. A intenção é saber quanto um título ou outro investimento valeria no momento presente, caso fosse negociado no dia. O processo existe até para os ativos que só terão o valor concreto no futuro.

A marcação a mercado é afetada por algumas condições, como a liquidez. Se não houver um volume grande o bastante de negociações, o preço pode ser definido por meio de uma estimativa. Para alguns títulos de renda fixa a negociação é intensa, então a marcação se torna frequente.

A volatilidade também é levada em conta e depende da oferta e demanda no mercado secundário. Como nos títulos públicos de renda fixa — em especial, nos prefixados — a movimentação tende a ser intensa, a marcação a mercado se faz ainda mais presente.

Qual é o principal objetivo da marcação a mercado?

Como você viu, a marcação a mercado pode fazer com que o investidor perca dinheiro, dependendo do momento em que faz a venda. Contudo, ajudar quem aloca recursos no mercado financeiro é um dos principais objetivos dela.

Isso porque o mecanismo serve para tornar os preços mais transparentes, favorecendo a análise dos ganhos que podem ser obtidos, a cada dia. Também é uma forma de estabelecer condições justas e, potencialmente, menos prejudiciais, já que visa a garantir a equidade entre investidores.

Tudo isso é possível porque ela busca refletir as valorizações e desvalorizações do ativo ao longo do tempo. No caso da renda fixa, ela se aplica a quem vende o título antecipadamente — o que se dá em condições diferentes do momento da contratação e do vencimento.

O que é a marcação a mercado no Tesouro Direto?

Agora que você já sabe o que é esse mecanismo, vale a pena compreender como ele funciona para investimentos específicos. A marcação a mercado para títulos do Tesouro Nacional tem destaque, pois é um dos principais casos.

Como visto, ela indica qual é o valor que pode ser obtido por uma venda do título antes do vencimento. E a lógica depende dos movimentos ou das expectativas sobre as condições de mercado em relação àquela aplicação.

Imagine um título prefixado do Tesouro. Se a expectativa é que ocorra um aumento da taxa de juros, a rentabilidade dos novos títulos negociados aumenta, assim como sua atratividade. Então, o preço de negociação de títulos anteriores tende a cair.

Se o movimento contrário ocorrer — ou seja, a taxa Selic cair ou passar por expectativa de queda —, o retorno dos novos títulos diminui igualmente. Com isso, o título prefixado anterior tende a valer mais no mercado secundário.

Quais são os outros investimentos sujeitos a ela?

Embora os títulos públicos do Tesouro Nacional estejam entre os principais investimentos que usam esse mecanismo, eles não são os únicos. Outros títulos de renda fixa, como os certificados de depósitos bancários (CDBs) e as debêntures, também passam pelo ajuste.

O mesmo acontece com outros ativos e produtos financeiros negociados diariamente, como os que estão na bolsa de valores. Um dos destaques fica para cotas de fundos de investimento. A marcação a mercado nesse caso usa os preços médios dos ativos.

Em um fundo de ações, por exemplo, utiliza-se o preço médio diário de negociação dos ativos. Isso é importante para o investidor que adquire cotas na metade do mês.

Ainda que a rentabilidade do fundo seja dada mensalmente, ele não receberá o mesmo que alguém que já tinha cotas no começo do mês, por exemplo. A marcação a mercado serve para precificar corretamente tais cotas, garantindo que reflita os movimentos de preço dos ativos.

Além de conhecer o funcionamento, vale entender quem faz a marcação a mercado nesse caso. Para os fundos de investimento, a tarefa é feita pelo administrador ou, como é mais comum, pelo gestor.

Como a marcação a mercado afeta seus investimentos?

Como foi possível notar, o mecanismo de ajuste do preço não incide apenas sobre os títulos de renda fixa. Ativos da bolsa e cotas de fundos também passam pelo processo. Portanto, é uma solução que afeta diretamente os investimentos e seus resultados.

Graças a esse mecanismo, você sabe o quanto vale um título a cada dia antes do vencimento. Ele ainda permite entender como é o comportamento dos valores das cotas de fundos e ativos. Assim, há como compreender qual é o momento mais propício para a venda, se for o caso.

No geral, a marcação a mercado pode fazer o investidor perder dinheiro, mas também pode ajudá-lo a ganhar acima do previsto. Tudo depende dos movimentos de valorização ou queda dos ativos.

Com essas informações, você pôde notar que a marcação a mercado é um mecanismo de ajuste da precificação de investimentos, em especial os da renda fixa e as cotas de fundos. Por isso, a análise adequada de valores pode ajudá-lo a entender os impactos de uma possível venda antecipada.

Se ainda tiver dúvidas sobre esse funcionamento, use o espaço dos comentários para que possamos ajudá-lo!

André Barbirato

Formado em marketing, encontrou no mercado financeiro sua verdadeira vocação. Possui certificação ANCORD e mais de 8 anos de experiência no mercado de capitais. Atualmente é sócio de um escritório de investimentos e head de mesa de renda variável. É também o criador do blog Eu Posso Investir!?.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *